Sobreviventes do massacre de Haximu falam 20 anos depois

Sobreviventes do massacre de Haximu em que garimpeiros mataram 16 Yanomami seguram urnas contendo as cinzas de seus parentes.
Sobreviventes do massacre de Haximu em que garimpeiros mataram 16 Yanomami seguram urnas contendo as cinzas de seus parentes.
© C Zacquini/ Survival

Sobrevientes de um massacre terrível em que dezesseis Yanomami foram mortos pelas mãos de garimpeiros ilegais falaram vinte anos após o ataque, enquanto garimpeiros continuam a invadir a terra Yanomami.

O massacre da comunidade Haximu na Amazônia venezuelana foi realizado por 22 garimpeiros brasileiros em 1993. No violento ataque, os garimpeiros atiraram em mulheres, crianças e anciãos, e mataram um bebê com um facão.

Sobreviventes do massacre, Marisa e Leida Yanomami, disseram em uma rara entrevista: ‘Os garimpeiros mataram meus irmãos, irmãs e meu pai com terçados; alguns morreram com armas de fogo.… Nós não podemos falar muito porque é uma tristeza. Quando nós falamos sobre o massacre nós lembramos do nosso pai’.

Vinte anos depois, os territórios Yanomami no Brasil e na Venezuela continuam sendo invadidas por garimpeiros ilegais que poluem os rios com mercúrio, destroem a floresta e continuam a atacar os Yanomami apesar de uma operação das autoridades brasileiras para retirar os garimpeiros da terra Yanomami.

Milhares de garimpeiros ilegais continuam trabalhando na terra Yanomami, poluindo seus rios e destruindo a floresta.
Milhares de garimpeiros ilegais continuam trabalhando na terra Yanomami, poluindo seus rios e destruindo a floresta.

© Colin Jones/Survival

Na Venezuela, os Yanomami temem uma invasão de larga escala em suas terras, após a empresa estatal chinesa CITIC ter sido contratada para explorar, mapear e catalogar reservas minerais na Venezuela, muitas das quais se encontram em terras indígenas.

COIAM, um grupo de organizações indígenas da Amazônia, condenou os planos da CITIC e declarou: ‘Solicitamos ao Governo Nacional a revisão urgente de todos os projetos e a não implementação dos mesmos em territórios e comunidades indígenas devido aos possíveis impactos destrutivos ambientais e socio-culturais. A vida e a sobrevivência física e cultural dos povos indígenas e das futuras gerações dependem da proteção integral de seu habitat e terras.’

No Brasil, os Yanomami são veementemente contra ao projeto de lei de mineração que vem sendo debatido no Congresso Nacional, que se for aprovado, abrirá o território Yanomami e outros territórios indígenas para a mineração em grande escala, e trará mais invasores para seus territórios.

Cinco dos autores do massacre de Haximu foram condenados por genocídio, uma decisão que foi aclamada como histórica e sem precedentes. Mas hoje, apenas um garimpeiro continua na prisão. Um outro que cumpriu parte de sua sentença, voltou a garimpar ilegalmente na terra Yanomami e foi novamente preso durante uma operação para retirar os garimpeiros da terra Yanomami no ano passado.

Após o ataque, garimpeiros queimaram o shabono (casa comunal) de Haximu.
Após o ataque, garimpeiros queimaram o shabono (casa comunal) de Haximu.
© Oscar Márquez/ Comissão Interministerial da Venezuela sobre Haximu

Davi Kopenawa, um porta-voz Yanomami, disse à Survival: ‘Eu nunca esqueci de Haximu. Os garimpeiros mataram dezesseis Yanomami e os mesmos garimpeiros voltaram para lá. Nós estamos revoltados porque os garimpeiros não foram punidos e não sofreram como nós sofremos.’

Na esteira do massacre várias comissões binacionais foram criadas, incluindo uma para monitorar e combater o garimpo ilegal. No entanto, parece ter estado inativa durante muitos anos. Survival escreveu para os dois governos instando-os a manter seus acordos para controlar o garimpo ilegal e proteger a terra Yanomami.

Os Yanomami passam de 30.000 e são a maior tribo relativamente isolada na América do Sul, abrangendo a fronteira entre Venezuela e Brasil. Uma onda de garimpeiros ilegais dizimou a tribo na década de 1980, quando um em cada cinco Yanomami no Brasil morreu em violentos ataques ou por doenças trazidas pelos invasores.

Stephen Corry, diretor da Survival International, disse hoje: ‘Tanto o Brasil como a Venezuela continuam a permitir que os garimpeiros ilegais operem dentro da terra Yanomami, apesar de conhecerem os horrores que eles causaram. O Brasil em breve receberá o mundo quando for sediar a Copa do Mundo e as Olimpíadas – mas seu governo pode realmente fazer cumprir a lei dentro de suas próprias fronteiras?’

Nota aos editores:
- Leia os relatos completos dos sobreviventes de Haximu aqui.
- Baixe a declaração completa da COIAM em espanhol aqui.