Fazendeiros pegos em flagrante - do espaço

O desmatamento ilegal (círculo) de outubro- dezembro de 2010. Grande parte da floresta ao redor já foi (ilegalmente) desmatada.

O desmatamento ilegal (círculo) de outubro- dezembro de 2010. Grande parte da floresta ao redor já foi (ilegalmente) desmatada.
© GAT/ Survival

Uns ricos latifundiários no Paraguai foram pegos em flagrante depois que imagens de satélite recém-lançadas mostraram a destruição alarmante de quase 4.000 hectares de floresta – que é habitada por índios isolados.

As empresas brasileiras, River Plate S.A. e BBC S.A., foram pegas em uma operação secreta do estado e autoridades indígenas na região do Chaco, no norte do Paraguai.

A área abriga os Ayoreo-Totobiegosode, a última tribo de índios isolados remanescente na América do Sul fora da Amazônia.


A maioria da terra ancestral pertencente à tribo tem sido tomada por proprietários privados para criação de gado. Agora membros assentados da tribo temem pela vida de seus parentes isolados.

Ojnai, um homem Ayoreo, disse a Survival International, ‘Estou muito preocupado com esta destruição, porque não sabemos onde exatamente estão as pessoas que ainda estão vivendo na floresta. Eu tenho uma irmã entre elas. É por isso que não queremos que os de fora destruam mais da floresta com os seus tratores’.

O Instituto Indígena do Paraguai, INDI, declarou recentemente que uma parcela separada de 34.000 hectares comprada de fazendeiros seria entregue aos Ayoreo, mas a data ainda está para ser definida.

As negociações com outras empresas, incluindo uma outra empresa brasileira, Yaguarete Pora, foram até agora um fracasso, pois os barões da carne se recusam a vender de volta a terra ancestral dos Ayoreo.


O diretor da Survival International, Stephen Corry, disse hoje, ‘Esses pecuaristas, bem como os Totobiegosode, não têm nenhum lugar para se esconder. As imagens de satélite tornam quase impossível para o desmatamento generalizado passar despercebido, mas as autoridades devem agir antes que isso aconteça, não depois que a floresta já tiver sido derrubada’.