O futuro de povos indígenas isolados será decidido nos próximos meses.

Sete terras de povos indígenas isolados na Amazônia estão sob restrições de uso, regulamentos que tornam ilegal a entrada de invasores nesses territórios, assim como a sua a exploração por madeireiros, garimpeiros e outros.

As restrições de uso são fundamentais para proteger os territórios e os povos que vivem neles até que seu processo de demarcação seja finalizado. Mas agora várias restrições estão prestes a expirar, e a FUNAI precisa renová-las: #AssinaFUNAI.

Sem esse regulamento, essas terras podem ser completamente destruídas – e os povos indígenas isolados que dependem delas para sobreviver podem ser exterminados. Um desses territórios é o lar dos indígenas isolados Piripkura, um povo que sobreviveu a décadas de massacres brutais cometidos por invasores.

Agora, impulsionados pelos ataques genocidas do presidente Bolsonaro aos povos indígenas, políticos e seus apoiadores anti-indígenas estão tentando extinguir as restrições de uso para roubarem essas terras para a extração de madeira, mineração, pecuária e muito mais. Isso poderia exterminar povos inteiros.


“Se matarem eles, aí não vai ter mais.”
Rita Piripkura, cujos parentes isolados vivem na Terra Indígena Piripkura, atualmente sob uma restrição de uso.

Envie um e-mail para o governo brasileiro pedindo que renovem as restrições de uso, retirem todos os invasores e finalizem os processos de demarcação desses territórios.

E pressione o governo brasileiro também nas redes sociais: procure e use #AssinaFUNAI e #IndígenasIsolados!

Atualização
- No dia 16 de setembro de 2021, a Funai renovou a restrição de uso da Terra Indígena Piripkura. E no dia 9 de dezembro de 2021, a Funai renovou a restrição de uso da Terra Indígena Pirititi. Ambas foram renovadas por apenas 6 meses, tempo insuficiente para retirar todos os invasores e finalizar a demarcação dos territórios.

- A restrição de uso da Terra Indígena Jacareúba/Katawixi expirou em dezembro de 2021 e precisa urgentemente de ação do governo.

Emails enviados: : 17,347
Ajude-nos a alcançar 20,000!