Índia: tribo enfrenta despejo de reserva – mas exploração de urânio é aprovada

Desde os tempos imemoriais, os Chenchu vivem juntos aos tigres na floresta Nallamala, a qual inclui a reserva de tigres de Amrabad.
Desde os tempos imemoriais, os Chenchu vivem juntos aos tigres na floresta Nallamala, a qual inclui a reserva de tigres de Amrabad.

© Survival

Oficiais na Índia estão ameaçando despejar uma tribo de uma reserva de tigres em nome da conservação do meio ambiente – mas acabaram de aprovar a exploração de urânio na mesma reserva. A ação irritou muitos, que acusam as autoridades de hipocrisia.

Os indígenas Chenchu na reserva de triges de Amrabad pedem para que possam permanecer na terra da qual eles dependem e cuidam há milênios.

Eles disseram: "O Departamento Florestal está planejando nos despejar deste lugar. Não queremos ir para nenhum outro lugar. Nós protegemos nossa floresta. Se formos para fora, seria como tirar um peixe da água, ele morrerá… Mas agora o governo, para seu próprio lucro, está separando os Chenchu da floresta, é como separar os filhos de suas mães.

Mulher Chenchu da aldeia de Pecheru. A aldeia foi despejada na década de 1980. Os Chenchu afirmam que, das 750 famílias que viviam na aldeia, apenas 160 sobreviveram após o despejo. Muitos morreram de fome. Reserva de Tigres Nagarjunsagar Srisailam.
Mulher Chenchu da aldeia de Pecheru. A aldeia foi despejada na década de 1980. Os Chenchu afirmam que, das 750 famílias que viviam na aldeia, apenas 160 sobreviveram após o despejo. Muitos morreram de fome. Reserva de Tigres Nagarjunsagar Srisailam.

© Survival

“O governo está vendendo a floresta a mineradoras. Se formos às planícies nós ficaremos viciados em álcool, vamos beber e morrer. No futuro, os Chenchu só serão vistos em fotografias e vídeos.

“Nós vivemos na floresta e iremos morrer na floresta. A floresta é nossa mãe e nossa vida. A vida selvagem é nossa vida, sem ela não podemos sobreviver.”

Autoridades indianas justificam os despejos forçados de povos indígenas – ilegais de acordo com o direito doméstico e internacional – sob o argumento de que qualquer presença humana nas reservas é prejudicial aos tigres. No entanto, em muitas reservas de tigres na Índia, turistas pagantes podem visitar em grandes números e a construção de estradas, a exploração de minerais e o garimpo ocorrem.

Mulher Chenchu da reserva de tigres Amrabad. Para os Chenchu, ser um povo da floresta é uma parte essencial de sua identidade e orgulho.
Mulher Chenchu da reserva de tigres Amrabad. Para os Chenchu, ser um povo da floresta é uma parte essencial de sua identidade e orgulho.

© Survival

Contexto
- Os Chenchu são apenas uma das muitas tribos na Índia que enfrentam despejo de sua terra ancestral. Muitas comunidades Baiga já foram despejadas na região central da Índia, deixadas sem amparo ou realocadas para acampamentos governamentais de reassentamento onde a qualidade de vida é frequentemente alarmante.
- A lei na Índia requer que quaisquer despejos sejam voluntários, e as comunidades devem ser compensadas. No entanto, indígenas são raramente informados que eles têm o direito de permanecer, e são muitas vezes ameaçados. A compensação financeira é raramente suficiente para permitir que se adaptem à vida fora da floresta, e as pessoas às vezes não recebem aquilo que lhes foi prometido.
- A reserva de tigres Amrabad fica no estado de Telangana no sul da Índia.
- Os Chenchu viviam da caça e coleta no sul e centro da Índia por milênios, até que a caça foi banida na década de 1970. Esforços governamentais para que eles se tornassem agricultores enfrentaram forte resistência pela tribo.
- Os Chenchu possuem um conhecimento incrível de sua floresta e dos animais com as quais a compartilham. Eles coletam 20 tipos diferentes de frutas e 88 de folhas. Eles veem todos os animais como seus parentes e deuses. De acordo com seus costumes, eles nunca tiram mais do que necessário da floresta e não desperdiçam nada. Um Chenchu disse: “Se forasteiros entram na floresta, eles irão cortar todas as árvores e tirar todas as frutas; nós não cortamos as árvores e só tiramos as frutas que precisamos.”

Lorde Curzon, vice-rei da Índia, e sua esposa, posam para uma foto após uma caça a tigres, 1902. A caça pela elite Raj foi a razão principal para o declínio do tigre Bengal.
Lorde Curzon, vice-rei da Índia, e sua esposa, posam para uma foto após uma caça a tigres, 1902. A caça pela elite Raj foi a razão principal para o declínio do tigre Bengal.

© Wikimedia

O diretor da Survival, Stephen Corry, disse: “Isso é o cúmulo da hipocrisia: as autoridades querem despejar os indígenas que cuidam deste ambiente durante milênios, sob o pretexto de que os números de tigres sofrerão caso as pessoas fiquem, mas daí permitem exploração de urânio. É uma farsa. E está prejudicando a conservação da natureza. Turistas na Reserva de Tigres Amrabad deveriam perceber que eles estão apoiando um sistema que pode levar os indígenas, os melhores conservacionistas, a serem despejados ilegalmente de seus lares ancestrais, e que minas de urânio podem, um dia, tomar seu lugar.”